Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

ptenfrites
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Estudantes do Câmpus Cubatão se unem para ajudar outras mulheres

GirlUp promove ações para promover a equidade de gênero
  • Publicado: Quinta, 06 de Maio de 2021, 22h31
  • Última atualização em Quarta, 19 de Maio de 2021, 09h46
Um projeto integrador sobre a violência contra a mulher, realizado pela estudante Isabela Maria de Resende Cavalcante, durante o curso Técnico em Eventos Integrado ao Ensino Médio no Câmpus Cubatão, fez com que ela percebesse a necessidade de uma ação com essa temática para a região metropolitana da Baixada Santista. 
 
“Realizei uma pesquisa científica em que mapiei a violência contra a mulher na Baixada Santista; diante dos dados, senti a necessidade de trazer algum projeto para as mulheres da região”, conta a egressa que participou de um curso de aperfeiçoamento e conexão para lideranças jovens, o Latin American Leadership Academy, no qual foi apresentada ao Girl Up, movimento da Fundação da ONU voltado ao apoio às meninas adolescentes.   
 
Após concluir o curso técnico, Isabela Maria decidiu implementá-lo na Baixada Santista, e em fevereiro de 2021, deu início ao trabalho do grupo que conta com as estudantes Milene Fernandes Dias Ribeiro e Júlia Lopes Ferreira Costa e as ex-alunas Manuela Pezzatto Toledo Prado, Maria Júlia Silvestre de Farias, Isabelly Cardoso da Silva e Victória Anjos Amaral e Silva, além de Laura Moreira Cesar Souza Moço.
 
Segundo Isabela, o IFSP foi fundamental para colocar o projeto em prática. “O Instituto Federal nos abre caminhos e nos faz entender a pensar como comunidade.” A equipe do GirlUp conta com sete voluntárias que estudam ou estudaram no Câmpus Cubatão.
Para iniciar os trabalhos do grupo, Isabela reuniu-se com outras meninas que compartilhavam do desejo de trabalhar para a equidade de gênero, e elaboraram estratégias e aliaram-se à representante do estado de São Paulo. 
 
Todo o trabalho é voluntário e pretende promover assistência e apoio às adolescentes em situação de vulnerabilidade, como também o conhecimento e o desenvolvimento econômico para as comunidades periféricas, principalmente nas áreas de educação, saúde, combate à violência e criação de oportunidades sociais.
 
O movimento conta atualmente com cinco psicólogas, que ajudam com o planejamento do atendimento gratuito, e estudantes de Direito, Serviço Social e da área médica. A equipe busca advogadas interessadas em realizar assistência jurídica para mulheres sem condições financeiras.
 
Entre as atividades realizadas estão a campanha  #LivreparaMenstruar, que arrecadou máscaras de proteção ao Covid-19, álcool em gel e absorventes para as meninas do bairro Monte Serrat, em Santos, e bate-papos sobre higiene menstrual, a importância do ginecologista e autonomia do corpo. As adolescentes atendidas também puderam conhecer algumas posições de ioga que aliviam cólicas e dores menstruais.
O Instagram e as ações vêm ganhando reconhecimento. A conta oficial da ONU repostou registros das atividades do Girl Up Caiçara e deu mais visibilidade ao trabalho desenvolvido pelas voluntárias.
 
O grupo aceita voluntárias com idades entre 14 e 24 anos. As interessadas podem entrar em contato com o Girl Up Caiçara no insta @girlup_caicara.
registrado em:
Fim do conteúdo da página