Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

ptenfrites
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Estudantes do IFSP são premiados na Feira Brasileira de Jovens Cientistas

Projetos dos Câmpus Campinas e Hortândia foram destaque na FBJC 

  • Publicado: Terça, 29 de Junho de 2021, 17h39
  • Última atualização em Terça, 29 de Junho de 2021, 18h08

Os projetos Água na medida certa: Dosador automático para bebedouros,  do Câmpus Campinas, e Análise qualitativa do ensino de língua inglesa pelos aplicativos Duolingo, Babbel e Memrise,  do Câmpus Hortolândia, foram destaque na edição 2021 da Feira Brasileira de Jovens Cientistas (FBJC). OS dois projetos ficaram em terceiro lugar na premiação de suas áreas, Engenharia e Letras, respectivamente.  

Os estudantes do Câmpus Campinas conquistaram ainda o prêmio de destaque na área de Inovacão, que rendeu como premiação uma impressora 3D. Fazem parte da equipe os alunos Maria Isabel Barbosa da Silva, Rebecca Braz Edwiges e Pedro Lucas Neves, do curso técnico Integrado em Eletrônica.  O trabalho foi desenvolvido na disciplina de Projeto Integrador, com a orientação dos professores Edson Anício Duarte e João Alexandre Bortoloti. 

 O projeto Água na medida certa visa à automação de bebedouros de uso comum com dosadores adaptados para volumes predefinidos. O toque com mãos não higienizadas ou qualquer outro contato com as saídas de água pode levar à contaminação dos aparelhos, assim possibilitando a propagação de microrganismos como vírus. Em um ano pandêmico, esse assunto se torna imprescindível por se tratar da saúde coletiva, visto que a higienização é a principal via de prevenção do COVID-19. 

O dispositivo é composto por uma célula de carga e um microcontrolador que integrados realizam a dosagem automática de água para o usuário. O sistema ainda possui uma estrutura de sonorização e indicação visual para sinalizar o início e fim do enchimento dos recipientes. Por fim, o funcionamento se dá em malha fechada, realizando o enchimento de utensílios escolhidos por seu usuário através de três níveis de água: 100mL, 300mL e 500mL.  

Segundo o professor Edson Duarte, os trabalhos com projetos integradores possibilitam ao aluno o desenvolvimento de habilidades técnicas e gerais, como gestão de tempo, custos e apresentação. Ele afirma que a premiação é reflexo da excelência dos trabalhos que vêm sendo desenvolvidos no Câmpus Campinas.  

A aluna Rebecca Baz comenta que fazer parte do projeto trouxe para ela inúmeros desafios, visto que a premissa da disciplina é integrar o que foi estudado com uma ideia inovadora. “Com as orientações conseguimos atingir o objetivo inicial com êxito, e isso tornou- se ainda mais concreto depois da conquista do 3° lugar em Engenharias na FBJC. É uma sensação única de reconhecimento e pertencimento da Ciência Brasileira e seus jovens cientistas”, contou. Ela destacou ainda o apoio aos alunos por parte do IFSP e dos professores. 

Já o projeto do Câmpus Hortolândia, que analisa plataformas online de ensino de línguas, vem sendo desenvolvido e premiado desde 2020. De acordo com a orientadora, professora Stefanie Fernanda Pistoni Della Rosa, a FBJC foi o encerramento de um ciclo de atividades que são frutos de uma pesquisa de iniciação científica desenvolvida por ela e sua orientanda Danielle dos Santos Chagas, aluna do Curso Técnico em Mecânica integrada ao ensino médio. “A premiação veio como o reconhecimento do excelente trabalho feito pela Dani. Além da FBJC, participamos também do Conict, da SNCT do Câmpus Hortolândia, evento no qual também fomos premiadas e que oportunizou nossa participação na Febrace”, contou. 

Ainda segundo a orientadora, o trabalho foi contemplado com uma bolsa da Febrace em parceria com o CNPq, o que permitiu a continuidade da pesquisa neste ano. A professora Stefanie ressalta que a participação em feiras como a FBJC é uma grande oportunidade para os alunos IFSP. “Além de toda a preparação necessária para as apresentações, eles entram em contato com demais áreas do conhecimento, são levados a refletir criticamente sobre a importância da pesquisa e da ciência, além de poderem criar redes de contato importantes”, afirmou.  

A aluna Danielle Chagas contou como foi a trajetória da pesquisa até chegar às participações premiadas no Conict, Febrace e FBJC. Segundo ela, o primeiro passo foi o estudo teórico do que significa língua, aprender e ensinar uma língua estrangeira. “A partir disso pudemos embasar as categorias que foram analisadas nos aplicativos, em seguida fizemos um levantamento das plataformas e começamos a análise de dados. Por fim, articulamos os dados coletados com a teoria lida para gerar os resultados e discussões.”  

De acordo com a estudante, a participação nas feiras científicas foi uma forma de disseminar os resultados do projeto. Danielle contou que o próximo passo será a publicação do trabalho em uma revista científica.  Segundo ela, o artigo já foi submetido e está em fase de análise. 

A edição 2021 da Feira Brasileira de Jovens Cientistas contou com 182 projetos finalistas, advindos de 242 instituições de ensino de diversas regiões do país. Acesse aqui a lista de todos os trabalhos premiados na FBJC. 

registrado em:
Fim do conteúdo da página