Ir direto para menu de acessibilidade.

Opções de acessibilidade

ptenfrites
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Nota da Reitoria sobre possível desalojamento do sindicato

Informe da reitoria elucida questão sobre Sinasefe/SP e Câmpus São Paulo
  • Publicado: Quarta, 05 de Maio de 2021, 19h07
  • Última atualização em Quarta, 05 de Maio de 2021, 21h00
Nestes últimos dias, veio a público a notícia de que o Câmpus São Paulo, com o apoio da Reitoria, está desalojando a seção sindical de São Paulo do Sinasefe dos espaços que ocupa no câmpus. Pelo tom da notícia, é passada a impressão de que a questão é recente e envolve algum plano para prejudicar o sindicato e o direito de associação sindical. Além disso, com a divulgação conjunta de que os espaços estudantis também estão sendo requeridos pelo Câmpus São Paulo, percebe-se a intenção de conectar as duas requisições no contexto de um planejamento contrário aos princípios democráticos sempre defendidos em nossa instituição.
Cabe, em princípio, salientar a diferença entre os casos. Quanto aos estudantes, haverá realocação de espaços, e estes não correm risco de perdê-los, cabendo apenas uma organização nesta transição, conforme nos foi informado pela direção do Câmpus São Paulo. Como a unidade está com obras em execução, bem como em fase de troca de contratos com terceirizados, incluindo a segurança, há a preocupação da direção do câmpus com o patrimônio estudantil. Essa situação, sim, é recente, muito diferente com o que ocorre na relação com o sindicato.
Houve denúncia junto à ouvidoria contra a presença do Sinasefe nos dois espaços atualmente ocupados pelo sindicato, a manifestação foi realizada em 2019 (plataforma “Fala.br”, protocolo n° 23546.045508/2019-93). Ou seja, há quase dois anos. Cabe citar, para início das considerações, que qualquer instituição externa (e o sindicato tem identidade jurídica distinta do instituto ou do câmpus) ocupando espaços em nossos câmpus precisa ter sua situação devidamente regularizada (isso vale para cantinas, cooperativas e bancos, entre outras instituições, de que natureza forem).
Não é a primeira vez que ocorre denúncia como esta, mas é a primeira que ocorre num momento de maior policiamento das agências governamentais de controle, bem como numa situação de grande interconexão entre os vários sistemas nos quais tramitam estas denúncias.
O ex-diretor do Câmpus São Paulo procurou resolver a questão, informando o sindicato da necessidade de entregar o espaço perto da churrasqueira, por necessidades acadêmicas, bem como da obrigatoriedade de regulamentação do uso do espaço que hoje é sede administrativa da seção São Paulo do Sinasefe.
É óbvia a observação que a ausência de documentos reguladores desta ocupação, a administração responde por quaisquer problemas ocorridos no espaço, o que é inadmissível. A justificativa "de que por muito tempo tem sido assim", não justifica que o erro continue a ocorrer.
Mesmo informado da situação irregular, o sindicato não manifestou nenhuma proposta para a resolução dos problemas. Apresentou como resposta situações genéricas em que o mesmo colaborou com eventos no câmpus. A justificativa é claramente insatisfatória, lembrando que o sindicato, além de não contribuir com qualquer espécie de aluguel pelo espaço, utiliza água, energia elétrica e outras facilidades do câmpus, o que configura utilização de erário de forma indevida.
Com a troca da administração do câmpus, o novo diretor, de forma justificada, inteirou-se do andamento de todo esse processo, desde a denúncia até a resposta do sindicato ao questionamento a que foi submetido, e considerando as necessidades atuais de espaço no câmpus, reivindicou desocupação dos espaços. Cabe ressaltar que, por estes mesmos motivos, esta Reitoria também negocia possibilidades para a sua saída do câmpus.
Neste sentido, não cabe a esta Reitoria outra atitude que não o apoio ao novo diretor de São Paulo, por não ter havido qualquer iniciativa do sindicato para resolver a questão que pode culminar com ações externas comprometendo a administração, tanto do Câmpus São Paulo como da Reitoria.
Da mesma maneira, havendo alternativas que satisfaçam às duas partes, o sindicato e o Câmpus São Paulo, esta Reitoria não deixará de agir para facilitar quaisquer trâmites legais necessários, visto reconhecer dois conjuntos fundamentais de valores. O sindicato tem uma importância de primeira ordem na relação entre trabalhadores e empregadores (ressaltando que, nem a Reitoria, nem o câmpus são empregadores, papel este do Governo Federal). E dentre os principais objetivos da nossa instituição, está garantir todo o necessário, além de facilitar, o possível, para uma excelência em nossas funções sociais ligadas à Educação, o que inclui, espaços adequados para as atividades acadêmicas. A perspectiva que temos é de poder balancear estes dois conjuntos.
           
Confira aqui a nota emitida pelo Câmpus São Paulo.
 
registrado em:
Fim do conteúdo da página