Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Estudantes do IFSP são medalhistas nas Paralimpíadas Universitárias
Início do conteúdo da página

Estudantes do IFSP são medalhistas nas Paralimpíadas Universitárias

Atletas conciliam rotinas de treino e estudos e sonham em disputar a Paralimpíada de Paris

  • Publicado: Segunda, 27 de Setembro de 2021, 16h17
  • Última atualização em Segunda, 27 de Setembro de 2021, 17h29

Os estudantes Luiz Pedro Fazani Geronimo, do Câmpus Guarulhos, e Karen Stephanie de Oliveira Ghislandi, do Câmpus Bragança Paulista, representaram o IFSP e foram medalhistas nas Paralimpíadas Universitárias, realizadas no período de 16 a 19 de setembro na cidade de São Paulo. A competição, organizada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro, tem por objetivo a participação de estudantes universitários com alguma deficiência (física, visual ou intelectual), e abrange todo o território brasileiro. 

Karen e Luiz têm muito em comum: ambos têm 20 anos, estão concluindo o curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e praticam o mesmo esporte, a natação. Karen conquistou na natação duas medalhas de prata, nos 100m peito e nos 50m livre, e mais a medalha de bronze nos 50m costas.  Já Luiz conquistou duas medalhas de bronze, uma nos 100m borboleta e a outra nos 50m livre, prova em que ele quebrou o seu recorde pessoal e pela primeira vez fez um tempo menor que 30 segundos (29”74). 

Outro ponto em comum entre os dois estudantes-atletas é que o esporte entrou na vida deles por uma questão de saúde, e aos poucos se tornou uma paixão e um modo de superar suas limitações. Hoje eles conciliam rotinas de treino e estudos, tendo o mesmo sonho: disputar as próximas Paralimpíadas, que acontecerão em 2024, na França. 

Karen conta que nasceu prematura e foi diagnosticada com paralisia cerebral, por isso o contato com as piscinas veio desde muito nova, em forma de hidroterapia. Ela diz que que ainda não é atleta profissional e que parou com os treinos em piscina por quase 2 anos devido à pandemia. Mas os bons resultados nas Paralimpíadas Universitárias serviram de incentivo para que ela se empenhe cada vez mais nos treinamentos e consiga ir ainda mais longe. “Até mesmo, se Deus quiser, conseguir chegar nas Paralimpíadas (..) sempre dou o meu melhor, com muito desempenho e dedicação, e a vitória é certa”, afirmou. 

Luiz Pedro relata que o esporte sempre esteve presente na sua vida. Ele conta que, devido à sua deficiência (pé torto congênito), os médicos sempre recomendaram a prática de atividades físicas, visando uma qualidade de vida melhor. Ele diz que já praticou vôlei, basquete, futebol, porém esses esportes causavam muitas dores. Em 2014, após a terceira cirurgia nos pés, ele começou a praticar a natação, por ser um esporte sem impacto, e segundo ele, foi amor à primeira vista.  

“A partir de 2018, tomei a decisão de que eu queria aquilo pra mim, me tornar um atleta de alto rendimento e mudar a vida da minha família, a minha história. Em 2019 alcancei meu primeiro grande objetivo, fui medalhista brasileiro de natação nos 100m borboleta e 200m medley e também campeão paulista da modalidade.” 

Como atleta profissional, Luiz treina de segunda a sábado mais ou menos 5 horas por dia, além de outras atividades como pilates e fisioterapia. E em meio a tudo isso, ainda encontra tempo para os estudos. Tanto ele quanto Karen revelam que pretendem concluir o curso e um dia trabalhar na área de TI, pois sabem que carreira de atleta não é longa. 

Luiz revela que sonhava em ir para as Paralimpíadas de Tóquio 2020 (realizadas em agosto deste ano), porém ainda não estava preparado. “Agora, Paris 2024 não vou deixar escapar, estou mais que disposto a fazer o que for preciso para estar lá (...), este agora é meu maior sonho e eu vou realizá-lo!” 

Antes das próximas Paralimpíadas, Luiz pretende disputar outros campeonatos importantes, como o Mundial que acontecerá no ano que vem, em Portugal, e os Jogos Parapan-Americanos do Chile em 2023.  

registrado em:
Fim do conteúdo da página