Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > O que é? > Últimas notícias > Bolsa Permanência: indígenas e quilombolas podem se inscrever e concorrer a 4 mil vagas
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Bolsa Permanência: indígenas e quilombolas podem se inscrever e concorrer a 4 mil vagas

Estudantes de graduação podem se inscrever até 30 de agosto.

  • Publicado: Terça, 02 de Julho de 2019, 18h27
  • Última atualização em Quinta, 18 de Julho de 2019, 08h08
  • Acessos: 1780

O Programa Bolsa Permanência vai oferecer 4 mil bolsas de estudos, no valor de R$ 900 cada, a indígenas e quilombolas matriculados em cursos de graduação presenciais em instituições federais. Os estudantes podem se inscrever no programa até 30 de agosto. A portaria foi publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 2 de julho.

As inscrições devem ser realizadas pelo sistema de gestão do programa. Para participar, o estudante deve preencher um cadastro com informações sobre o seu perfil socioeconômico e acadêmico, além de assinar um termo de compromisso. Em seguida deve entregar toda a documentação na Coordenadoria Sociopedagógica ou setor equivalente em seu câmpus.

O pagamento da bolsa é feito pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), vinculado ao Ministério da Educação (MEC), diretamente aos beneficiários. O Bolsa Permanência tem por finalidade contribuir para que estudantes indígenas e quilombolas tenham condições de permanecer em seus cursos de graduação.

Após análise da documentação comprobatória de elegibilidade do estudante ao programa, as instituições federais de ensino superior devem aprovar as inscrições dos candidatos a bolsas até 30 de setembro. Caso o cadastro seja homologado e selecionado pela instituição, o estudante passará a contar com o benefício.

Segundo a portaria que institucionalizou o Bolsa Permanência, a iniciativa é “um auxílio financeiro que tem por finalidade minimizar as desigualdades sociais, étnico-raciais e contribuir para permanência e diplomação dos estudantes de graduação em situação de vulnerabilidade socioeconômica”.

Pnaes – O Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) auxilia a permanência de estudantes com baixa renda em cursos presenciais de graduação nas instituições federais de ensino superior.

De acordo com o decreto que estabeleceu o plano, os objetivos são:

  • democratizar as condições de permanência dos jovens na educação superior pública federal;
  • minimizar os efeitos das desigualdades sociais e regionais na permanência e conclusão da educação superior;
  • reduzir as taxas de retenção e evasão;
  • contribuir para a promoção da inclusão social pela educação.

O dinheiro é repassado para as universidades, que têm autonomia para selecionar quais alunos serão beneficiados e quais os valores do benefício.

Os líderes indígenas e quilombolas avaliarão, junto às suas comunidades, a possibilidade de recurso do Pnaes ser depositado diretamente na conta dos estudantes, assim como é realizado no Programa Bolsa Permanência. A intenção é fortalecer a governança e dar mais transparência ao programa.

Fonte: MEC.

registrado em:
Fim do conteúdo da página